QUINO

QUINO
TODA MAFALDA

domingo, 3 de julho de 2011

Reflexão p/ Professores (ou não!) - Calvin & Haroldo (Bill Watterson) - Mafalda (Quino)

por Caio Ferraro
   

Nós, professores, temos o péssimo hábito de analisar o "ERRO" do aluno como algo sobrenatural, já que algo tão "corriqueiro" e "básico" não pode ser tão difícil de ser aprendido. As tirinhas de Bill Watterson refletem muitas das situações vividas pelo próprio autor quando criança, especialmente as que retratam sua relação com a escola. Será que é impossível olharmos pra trás e nos vermos no lugar dos alunos? Bill afirma que foi um "bom aluno", mas que não sentia saudades da escola. A infinita maioria dos alunos, assim como Calvin e Mafalda, não enxergam nenhuma relação entre a escola e sua utilidade prática. 


Por vezes chegamos a nos questionar com os colegas: "Como ele não entendeu? Repeti duzentas vezes..." Infelizmente convivemos com dois sensos comuns paradoxais na educação convencional:

1º - A pedagogia de Paulo Freire - os pensamentos freirianos são constantemente elencados como princípios essenciais à uma "nova educação". 

2º - A teoria e a prática pedagógica são antagônicas - sala dos professores é o local onde os teóricos da educação como Piaget, Perrenoud e o próprio Paulo Freire, são crucificados por criarem teorias maravilhosas no papel, mas que não "funcionam na prática".  

Os quadrinhos, assim como todas as outras práticas pedagógicas, auxiliam e amenizam a defasagem estrutural do ensino convencional. São momentos dentro de uma estrutura conservadora que não acompanha as novas teorias pedagógicas, muito embora elas estejam nos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) como base de nossa EDUCAÇÃO. Hoje é possível observar que estamos eternamente atrasados em relação à realidade do aluno. Quando nos desvencilhamos de certos paradigmas, outros mais urgentes já surgiram:

"O problema é que estão tentando ir de encontro ao futuro repetindo o que faziam no passado. E com isso estão alimentando milhares de crianças, que não veem propósito em ir à escola." Sir Ken Robinson 

É complexo exigir do professor uma mudança de perspectiva, quando cada passo fora do enredo previamente estipulado é punido com pressões de todos os lados: direção, colegas, pais, alunos, secretaria de ensino... Tudo diz pra ele manter o "modus operandi", que infelizmente não funciona há tempos, mas como valorizar o diferente? Como explicar pros pais e os próprios professores que a maneira que eles foram educados não funciona com as novas gerações? Há uma resistência incrível em assimilar novas práticas e novos conteúdos, porque o método convencional é virtualmente rejeitado, entretanto, a realidade traça um padrão para que o professor não seja contestado: 

- Escrever na lousa
- Explicar o que escreveu
- Solicitar exercícios de casa
- Aplicar 4 ou mais atividades e avaliações por bimestre
- Registrar tudo no diário de classe

Aqueles que cumprirem essas metas se salvarão de toda e qualquer pressão externa, pois cadernos cheios representam para os pais o Santo Graal da educação. 

Ok... Lembrando dos meus tempos de escola e minha atual posição de professor a ideia é a mesma... A ESCOLA É MUITO CHATA!

 Há algumas semanas, crianças da brinquedoteca que acompanho brincavam de escolinha. Gritavam, esperneavam, colocavam de castigo, batiam na mesa... Aos 8 anos a impressão que elas transmitem é de que a escola é a filial do inferno na Terra.  Se me perguntassem há dois anos o que eu penso disso, eu diria que é um absurdo o que esses professores estão fazendo. Hoje não creio que a culpa seja apenas dos docentes. Reproduzo muitos dos vícios comportamentais que tanto abominava, o que só piora quanto mais me insiro no sistema."E agora José?"


"Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo um abismo, o abismo olha para você." Nietzsche

3 comentários:

Lucas Lima disse...

Olá Caio,

Impressionante como conseguiu juntar todos esses materiais para colocar em "cheque" a forma como a educação é tratada, não somente no nosso País mas no mundo todo.

Ficou muito bom, e recomendarei!

Hoho'n disse...

Interessantíssimo ver isso do seu ponto de vista como professor, mas e as soluções para a educação? Vejo à tempos comentarem sobre esse sistema criado na época da industrialização e como ele não é mais aplicável, mas fico ainda com a incógnita de como mudar esse quadro. Quais as ideias para a mudança desses meios que já não funcionam com nós, alunos e só prejudicam e atrapalham igualmente a vocês, professores?
Sua aluna,
Horrana

Caloi disse...

Horrana, não tenho a fórmula perfeita. Entretanto posso apontar ao menos 2 pontos cruciais para pensarmos em iniciar qualquer mudança.
1º - O salário do professor: não estou falando como quem quer ganhar mais, o problema é bem maior. Em uma sociedade capitalista como a nossa é necessário atrair bons profissionais para o seu mercado. Ano após ano diminui a procura por cursos de Licenciatura nas Universidades Públicas e poucas são as Particulares que oferecem esse tipo de graduação, gerando um déficit entre os ingressantes e os que se aposentam. Me diga quantos professores você tem com até 30 anos.
2º - Investimento Estrutural: Poderíamos falar de computadores, multimídias e blá blá blá... Além de investir pouco na educação, o governo investi mal, gastando fortunas em apostilas contestadas, reformas emergenciais/constantes, propagandas de escolas que não existem, profissionais terceirizados muito mal remunerados que não tem nenhum desejo de realizar um serviço adequado... A escola não pode conter 40 alunos em uma mesma sala de aula. Até mesmo o formato retrógrado de nossas escolas contribui para o distanciamento entre a educação que queremos e a que temos.

3º As escolas não são iguais: Enquanto formos avaliados por uma única prova estadual, e essa prova definir compensações financeiras aos docentes, continuaremos incorrendo no erro estabelecer a didática pelos resultados de um dia. O que não cai na prova não é importante, tal como o vestibular. Nessa lógica o fundamento da escola de "formar o cidadão" se torna uma falácia.

Considerar que isso vai mudar a educação é um erro pleno. Essas mudanças representam o MÍNIMO para discutirmos novas possibilidades.

Os Queridinhos!